Livro com registro da violência sob olhar da vítima é lançado na Bienal

terça-feira, agosto 30, 2016

Autora Amanda Oliveira conta como transformou o trauma de ter sido assaltada e baleada em um novo projeto de vida. Lançamento ocorre no dia 31 de agosto, às 19h

Amanda Oliveira é uma mulher comum. Não só por fazer tudo o que outras da mesma idade fazem, como nutrir sonhos e planejar o futuro. Mas por fazer parte de um cenário que, assustadoramente, causa menos espanto e já é quase aceito como corriqueiro. Em setembro de 2005 ela foi assaltada e baleada à queima roupa, entrando para as estatísticas de São Paulo, onde, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado, 53,52% dos roubos na cidade são contra, justamente, cidadãos comuns. O que não é comum, entretanto, é sobreviver com a força necessária para transformar o trauma em aprendizado, esperança e um novo projeto de vida.

Os percalços deste caminho doloroso são contados por Amanda no livro “O Grito que Ninguém Ouviu: Uma História Real de Superação” (R$29,90 | 144 páginas) que será lançado na 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, no dia 31 de agosto, às 19 horas no estande da Novo Século Editora (B060).

O livro compila relatos de alguém que teve a vida completamente revirada em questão de segundos, física, mental e emocionalmente. A bala atingiu a região do abdômen e, não bastasse a violência do ato em si e do procedimento invasivo para tentar salvar sua vida, um erro cirúrgico prolongou o sofrimento pela necessidade de mais duas intervenções. Tudo conspirava para um ciclo de rancor, angústia e dor sem fim. Ela pensou em tudo. Alimentava, inclusive, desejo de vingança.

Diagnosticada com Transtorno de Estresse pós-traumático e com Síndrome do Intestino Irritável, Amanda tentou diversos tratamentos. Descobriu numa experiência de coaching que, além dos problemas, também precisaria cuidar da maneira como os enxergava, absorvia, processava e externava. Do que fazer com o que passou, o que poderia ser modificado e como trabalhar o que não tinha jeito. Amanda se tornou psicóloga e mastercoache, hoje, pode afirmar que é possível seguir.

O tempo não coloca as coisas no lugar, mas acalma a tempestade para que façamos isso. O intuito da minha história não é fazer desse livro um manual de como superar as adversidades ou traumas da vida, tampouco uma receita de bolo para a felicidade. O objetivo, na verdade, é contar que é possível reconstruir a vida, mesmo quando tudo parece estar perdido, e inspirar cada pessoa a ser sempre o melhor que pode ser” conta a autora.

O Grito que Ninguém OuviuA maioria das pessoas, por mais diferentes que sejam, querem ter uma vida tranquila, realizar seus sonhos e, principalmente, ter o direito de escolher como viver, sem a interferência de acontecimentos dolorosos e violentos que batem à nossa porta todos os dias, seja através do noticiário da TV, seja nos cercando na esquina de uma rua qualquer. Este livro é um relato pessoal de Amanda Oliveira, uma jovem comum que, no auge de sua vida, experimentou a dor, o desespero e a solidão amarga que só quem vive conhece. Em questão de minutos, viu o seu belo mundo entrar em ruínas por conta da violência gratuita e de toda a negligência que sofreu. O intuito dessa história real não é oferecer ao leitor um manual de como superar adversidades ou traumas, tampouco uma receita de bolo para a felicidade; a vida é complexa demais e a reação de cada ser humano diante dos problemas é diferente. O objetivo, na verdade, é contar que é possível reconstruir a vida, mesmo quando tudo parece estar perdido, e inspirar cada pessoa a ser sempre o melhor que pode ser. No final, se abrirmos bem os olhos, poderemos aprender que perder é ganhar. (Skoob)

O grito do título pode não ter sido ouvido à época da violência, nem pelo tempo que Amanda passou tentando se encontrar, mas está registrado, detalhado, de maneira a ganhar eco em tantas outras histórias, tantas outras pessoas que, independentemente do problema, precisam de saída. E, além, todos que apreciam um livro forte, narrado de forma visceral e que, no mínimo, desperta reflexão a sufoco do conformismo. Um novo grito, que todos podem ler e ouvir.

Informações sobre o livro:
Título Nacional: O grito que ninguém ouviu
Autor: Amanda Oliveira
Nº de Páginas: 144
Preço: R$ 29,90
Editora: Talentos da Literatura Brasileira | Grupo Editorial Novo Século

24ª Bienal Internacional do Livro em São Paulo
Lançamento “O Grito que Ninguém Ouviu” – Amanda Oliveira
Data: 31 de agosto de 2016
Horário: 19h às 20h
Local: Estande Novo Século Editora – B060
Endereço: Pavilhão do Anhembi – Av. Olavo Fontoura, 1209 – Santana – São Paulo

You Might Also Like

14 COMENTÁRIOS

  1. Nossa cara que história!! Triste heim... Mas que bom que ela deu a volta por cima e agora inspira pessoas :)

    https://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que livro! Acho que por mais que leiamos obras do ponto de vista da vítima, nunca será tão fiel quanto uma história contada por alguém que de fato viveu aquilo. A gente nem é capaz de imaginar tudo pelo que ela passou, mesmo lendo sobre o que se trata. Mais do que um ato de violência, o psicológico se descontrola e se torna uma arma poderosa. Todos os eventos traumáticos que ela passou mexeram com ela de uma forma que foi necessária muita garra mesmo pra superar. Curiosa pra ler!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Uauu Nana, que livro mais forte! Só de ler a resenha a gente percebe o quanto ele é tenso e com um enredo pra lá de importante! Bem bacana sua indicação, vou dar uma olhada no estande da Novo Século amanhã na Bienal!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Oie Nana =)

    Esse livro parece ser forte, principalmente pelo ponto de vista que ele aborda. Sempre fico emocionada quando assisto filmes baseados em história reais. Tipo você sabe que alguém passou por aquilo, viveu aquela situação.
    Por esse motivo imagino que a carga dramática desse livro deva ser gigante.
    Fiquei curiosa para ler, mesmo sabendo que provavelmente vou ficar com uma ressaca literária daquelas depois.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  5. Olá,
    Uau, é a primeira palavra que preciso dizer. Muitas pessoas passam por muitas coisas, mas o mais legal é você usar a experiência ruim a seu favor, como algo que te faz evoluir. Ainda mais quando transforma em um livro, já estou curiosa.
    Beijos.
    Nasci Gabriela - www.nascigabriela.com.br

    ResponderExcluir
  6. Estou mesmo precisando ir na Bienal procurar algumas novidades, se bem que a biblioteca está logo ali, né? rs

    http://themikulak.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Waw!
    Que tema forte, espero que seja bem abordado para uma boa leitura!Vou anotar a indicação <3
    Beijos!
    Borboletas de Papel | InstagramFanpageTwitter

    ResponderExcluir
  8. É um tema bem forte, vou anotar a dica pra leitura, fiquei bem curiosa pra ler
    beeijos
    http://bellapagina.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Nossa, esse livro deve ser muito forte pelo forma que é abordado. Eu fiquei muito interessada no livro, pelo fato de como as pessoas que sofreram essas experiencias negativas conseguiram passar por cima. Fiquei curiosa.

    Bjs, Carol | Espilotríssimo
    http://www.carolespilotro.com/

    ResponderExcluir

  10. Nossa, que história.
    Admiro a autora, pois imagino que tenha que ser forte para enfrentar e transformar isso em livro.
    Te seguindo como Art of life and books, segue o meu blog, tem muita coisa boa.♥
    Art of life and books

    ResponderExcluir
  11. Geeente, que tema forte e que história triste não é mesmo?! É muito ruim que esse tipo de coisa ainda aconteça hoje em dia. Não é um livro que eu tenha vontade de ler, mas admiro a coragem em abordar o tema
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/2016/08/cinema-setembro-2016.html

    ResponderExcluir
  12. Oi Nana, sua linda, tudo bem?
    Sabe, eu fico muito triste, pois a violência se tornou banal, ninguém mais liga. Por isso acredito que esse título é perfeito, pois a sociedade não está escutando o grito de suas vítimas. Mas fico feliz em saber que a autora depois de tudo que passou superou, ou continua superando a cada dia. Dica mais do que anotada. Desejo muito sucesso para ela!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oi, Nana. Eu sou fascinada por livros que contam relatos daqueles que sofrem violência. A história me cativa e envolve e quando percebo estou submersa no mundo da vítima. Li dois livros ótimos sobre sequestro e estupro e acabei me apaixonando pelo gênero. Saber o que esta pessoa passou, o que ela precisa enfrentar para seguir com sua vida é muito interessante. Amei que tenham lançado isso na Bienal, mas infelizmente não pude ir.
    Beijo, Visite o Leitora Encantada

    ResponderExcluir
  14. Que história, Nana! É triste ver tudo o que ela passou até dar a volta por cima, quantos transtornos na própria vida. A dor, o sofrimento, a angústia que ela deve ter sentido é algo que ninguém vai saber como foi realmente. Deve ser um livro muito forte, pois o tema deve é muito impactante. É bom ver que ela conseguiu seguir. A violência hoje em dia é tão comum, que se torna algo triste.

    Beijão,
    radioactivebookss.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Olá sejam bem vindos e deixem suas opiniões, com respeito, aqui.

Algumas observações:
- Comentários que não tenham relação com a postagem, serão removidos e não serão respondidos.
- Divulgações, exceto de autores, são removidas e não são respondidas.
- Comentários irrelevantes como: 'ah adorei a postagem', 'adorei a coluna', 'que legal o post' e outros no mesmo nível, são mantidos mas não são respondidos. Até porque, o que iríamos responder, né?

Popular Posts

Like us on Facebook

Subscribe