Lançamentos - Editoras - Setembro/2011 - Landmark e Pensamento

segunda-feira, setembro 05, 2011

Oie pessoal! Como estão?
Bom trago para vocês o primeiro post de lançamentos desse mês, sim terá mais um, talvez durante a semana.
Caso contrário, ficaria gigantesco e muitos não chegariam no final da página HAHAHAHA

Fico muito feliz com os elogios sobre o layout novo do blog! Obrigada gente!



- Editora Pensamento e Selos.

Bom como alguns já devem saber, a Editora Pensamento está com um novo selo chamado Jangada.


Com o objetivo de alcançar novos espaços e ampliar o público leitor, o Grupo Pensamento lança o novo selo: Jangada. Segundo o diretor-presidente, Ricardo Riedel, reunindo títulos nas áreas de ficção fantástica e histórica, a criação da nova linha editorial amplia os temas oferecidos aos leitores. “Apesar de já termos publicado em nossos selos atuais algumas obras de ficção, decidimos criar uma linha editorial específica para a área, reforçando ainda mais a presença do grupo no mercado”, afirma Ricardo Riedel.

- Nascida à Meia-Noite - C.C. Hunter (Jangada)
Suspense, aventuras e romance recheiam as páginas de Nascida à Meia-noite

Lançado em maio nos Estados Unidos, primeiro título da série “Shadow Falls” vendeu 45 mil exemplares em apenas três meses e é a aposta de Jangada, novo selo que a Editora Cultrix apresenta na XV Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro .

Kylie Galen é uma típica adolescente americana com as fantasias, desejos e conflitos inerentes a qualquer garota de sua idade. Tudo estaria correndo bem em sua vida, não fossem alguns acontecimentos inesperados, capazes de transformar radicalmente todo o cenário: a morte recente da avó, o divórcio de seus pais e o fora que levou do namorado. Como se tudo isso não bastasse, o fantasma do soldado Dude aparece quando ela menos espera e a garota ainda sofre de terrores noturnos. Este é o pano de fundo da envolvente trama de Nascida à Meia noite – Os Sobrenaturais, livro que o Jangada, novo selo da Editora Cultrix lança na XV Bienal do Livro Rio.

Na tentativa de superar todos os obstáculos que se sobrepõem, Kylie frequenta o divã da dra. Day duas vezes por semana. Mas, a especialista acredita que a terapia não é suficiente e convence a mãe da garota a levá-la para um acampamento de verão “aparentemente” destinado a jovens problemáticos.

Shadow Falls - o acampamento - cujo passado está envolto em mistérios, tanto porque ali foram encontrados ossos de dinossauros quanto por ser a origem de uma antiga lenda indígena, é mal-visto pela vizinhança que discrimina abertamente os jovens que o frequentam. Ao chegar, Kylie atrai a atenção de todos, veteranos e novatos. Um deles chega a perguntar à coordenadora, Holiday Brando, o motivo de sua passagem por ali. Sem compreender por que gera tanta curiosidade, imediatamente é separada do grupo. Na primeira conversa com Holiday, descobre que está ali porque a consideram especial, extraordinária. Ela também é uma sobrenatural, mas suas habilidades vão além das dos outros jovens. Seu padrão cerebral ilegível a torna única e fonte de extremo interesse de todos, especialmente do FBI.
Vampiros, lobisomens, pessoas com superaudição, com o dom da cura, com capacidade de induzir sentimentos e ler emoções são figuras comuns por ali. E muitas estão no acampamento para desenvolvê-las e aprender como empregá-las. No entanto, uma série de assassinatos na floresta que cerca Shadow Falls preocupa as autoridades que cogitam fechar a instituição...

Este é o início de Nascida à Meia-Noite, o primeiro livro da série: a Saga Acapamento Shadow Falls, de C.C. Hunter, pseudônimo da norte-americana Christie Craig. “Awake at Dawn”, o segundo volume da trilogia, será lançado nos Estados Unidos em outubro deste ano.

Born at Midnight - título original do primeiro livro da saga foi lançado em maio, nos Estados Unidos, com tiragem inicial de 50 mil exemplares e vendeu 45 mil cópias em apenas três meses. Amplamente aceita por crítica e público, a obra já foi vendida para seis países e é uma das maiores apostas da St. Martin Press. O lançamento do segundo livro no Brasil está previsto para maio de 2012. Editoras na Alemanha, França, Dinamarca, República Tcheca e Rússia também adquiriram os direitos da publicação.

O início da jornada 
Do estágio inicial de desconhecimento, aos poucos a heroína Kylie Galen, investida de um poder infinitamente superior aos dos demais membros de sua comunidade, encara desafios e supera obstáculos.
Em seu rito de passagem, depois de negar mais de três vezes sua verdadeira essência, Kylie é guiada pela sabedoria de Holiday e pela experiência de sobrenaturais mais velhos, em um percurso em que cria novos laços de amizade e cumplicidade, aprende a respeitar diferenças e limites e explora novas possibilidades.
Assim, surpreende-se com sentimentos conflitantes em relação a dois garotos, sem saber por qual está mesmo apaixonada; decepciona-se ao saber que seu pai está namorando uma mulher pouco mais velha do que ela; procura descobrir, por todos os meios, quem, em sua família, seria um sobrenatural para justificar sua condição, uma vez que os dons são transmitidos hereditariamente; faz contato real com o soldado Dude e descobre quem ele é, como morreu e a verdade que deseja revelar; e enfrenta perigos que põem à prova sua determinação e coragem.

XV Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro
Quando: de 01 a 11 de setembro
Horário: das 10 às 22 horas
Onde: Riocentro - Avenida Salvador Allende, nº 6.555 – Barra da Tijuca/RJ
Estande do Grupo Editorial PensamentoRua K 06 – Pavilhão azul



- Casando com George Clooney - Amy Ferris (Seoman)

Com um toque de humor, lançamento da Editora Seoman, traz as confissões de uma mulher em crise de meia-idade
Amy Ferris, autora de Casando com George Clooney, expõe suas experiências pessoais sobre sua jornada através da menopausa.

É comum ouvirmos falar sobre as mulheres passarem pela crise de meia-idade, ou a famosa “idade da loba”, que parece se iniciar aos 40 anos. Trata-se de fase em que as mulheres começam a questionar tanto a vida profissional quanto a vida afetiva, além de terem que conviver com o surgimento das primeiras rugas e de alguns quilinhos a mais. Além disso, segundo elas, ainda precisam driblar os sintomas do maior bicho-de-sete-cabeças: a menopausa. Todas essas mudanças criam verdadeiros “terremotos” na cabeça das mulheres e Amy Ferris, autora de Casando com George Clooney, relata, de um jeito bem humorado, suas experiências pessoais sobre os dilemas que ocorrem a partir da meia-idade.
Como o próprio título do livro diz, a autora conta, entre as várias histórias divertidas e comoventes, o desejo “secreto” de se casar com um dos maiores galãs de Hollywood, George Clooney. “Por favor, levante a mão quem nunca teve a fantasia de se casar com George Clooney”, revela Amy. Ela reserva um capítulo do livro para contar às leitoras o seu sonho, um tanto estranho e engraçado, com o grande astro de cinema.
Totalmente desperta no meio da noite, Amy Ferris expõe cada um dos pensamentos que passam por sua mente, sejam eles histéricos, ridículos ou dolorosamente honestos. A insônia, segundo ela, consequência da menopausa, induz a autora a se entregar a muitos outros passatempos inusitados. Desde usar a internet para procurar por antigos namorados até pesquisar sobre doenças fatais, preocupar-se incansavelmente com seu marido e tentar arranjar cuidados para sua mãe (que sofre de demência). 

Casando com George Clooney, explora uma gama de emoções experimentadas por este período de “mudança” na vida das mulheres. Através de um olhar franco, Ferris trata de forma leve e muitas vezes hilária um tema que aflige a maioria do público feminino. “Minhas experiências pessoais ao mesmo tempo excêntricas, engraçadas, alegres, estranhas e tristes, de alguma maneira, e de maneira alguma, não por coincidência, tornou-se um livro sobre a minha jornada através da menopausa”, analisa Amy Ferris.

Segredos de Vidas Passadas - Ruth Helen Camden (Pensamento)

 Livro relata experiências de pessoas, de todas as crenças, que já passaram por regressão a vidas passadas

Obra lançada pela Editora Pensamento ensina como ativar memórias do passado e resolver problemas do presente.
A reencarnação para alguns faz parte de uma crença e para outros uma teoria ou até uma superstição, mas para aqueles que se recordam de suas vidas passadas ela se torna um fato. É o que mostra a autora Ruth Helen Camden, no livro Segredos de Vidas Passadas, da Editora Pensamento, através de histórias verídicas e inspiradoras de pessoas que já passaram por terapias de regressão.

A autora não discute teorias sobre reencarnação e, na realidade, nem tenta provar a existência de vidas passadas. Em vez disso, ela relata as experiências de pessoas, de todas as procedências e sistemas de crença, que já passaram pela regressão a vidas passadas e descobriram que suas experiências as levaram a fazer mudanças positivas e significativas na vida atual.

A ênfase do método apresentado neste livro é descobrir quando e como as coisas começaram – ir até a sua fonte. Trabalhando nesse nível, as pessoas vivenciam uma libertação ou chegam a conclusões que vão muito além da resolução do problema original. Segundo Ruth Helen, elas entram em contato com partes ilimitadas de si mesmas que lhes permitem acessar uma visão e presença espiritual profundas. “O propósito de ver vidas passadas é a cura pessoal e o autoconhecimento”, afirma a autora.

A partir de relatos de casos reais, a naturopata especializada em terapia de vidas passadas, mostra que, a menos que resolvamos nossos traumas do passado, eles nos acompanharão ao longo das nossas vidas e serão reencenados vezes sem conta. De acordo com a autora, esses fatos são constatados em casos de maus-tratos, falta de autoconfiança, medo de intimidade e doenças físicas persistentes, assim como de medos e fobias de modo geral.

Apesar da retrospecção que o nome chama, a terapia de vidas passadas para Ruth está firmemente ligada ao presente. “O trabalho de levantamento de dados começa nos problemas do presente e leva as pessoas ao passado, trazendo tangíveis no aqui e agora”, explica a autora do livro Segredos de Vidas Passadas.

Sobre a autora:
Ruth Helen Camden é psicóloga diplomada e naturopata especializada em terapia de vidas passadas. Desde 1990, Ruth pratica, em Sydney, Austrália, o método ISIS – Inner Space Interactive Sourcing (Fonte Interativa do Espaço interior)-, um conjunto de técnicas desenvolvidas pela escola de meditação Clairvision para propiciar a cura, o autoconhecimento e a investigação histórica na terapia de vidas passadas.

A Googlelização de Tudo - Siva Vaidhyanathan (Cultrix)

Novo livro da Editora Cultrix coloca o Google na berlinda 

A ascensão do Google no mundo digital e a força do site que, em pouco mais de uma década, se tornou muito mais do que um buscador – tem o poder de transformar seus conteúdos em verdades absolutas –são assuntos abordados na obra A Googlelização de Tudo
Sucesso nos Estados Unidos, o livro The Googlization of Everything and Why we Should Worry ganha versão em português. Assinado por um dos mais importantes historiadores culturais da atualidade, Siva Vaidhyanathan, A Googalização de tudo (e porque devemos nos preocupar) chega ao Brasil, pela Editora Cultrix, e será lançado durante a XV Bienal do Livro Rio.

Professor de estudos de mídia da Universidade de Virginia, Vaidhyanathan tem conquistado espaço nos principais veículos internacionais por trazer à tona, com uma visão bastante crítica, uma discussão muito pertinente a esses dias de convergências digitais: até que ponto as facilidades ocasionadas pelas tecnologias e pelo mundo digital guiam, influenciam ou determinam a história de uma sociedade?
A obra explora a ascensão do Google - multinacional americana de serviços online e software criada há 13 anos - no mundo digital. “O Google é uma caixa preta. Ele sabe demais sobre nós e quase nada sabemos sobre ele. Ele controla a rede. É preciso refletir até que ponto podemos transferir esse poder a uma empresa?”, alerta o especialista e um dos primeiros usuários do Portal.
Vaidhyanathan leva o leitor a refletir sobre uma fé completamente cega, capaz de fazer com que a sociedade acredite e credite como verdadeiras todas as formas de hierarquização de informações propostas pelo Google. Segundo o autor, a confiança incondicional no Google e em suas alegações de onisciência, onipotência e benevolência geram uma tendência a atribuir aos resultados de sua pesquisa um poder desmedido: “O Google não é mau, mas também não é moralmente bom. Não nos faz mais inteligentes nem mais burros. É uma empresa de capital aberto e de receita firme. A questão é que as regras do jogo são estipuladas de determinadas maneiras e precisamos ter uma ideia muito mais clara de como isso é feito.” - argumenta o historiador. Segundo ele, tal fé no Google afeta nossas expectativas no mundo da informação e traz um conhecimento muito superficial. 

Bibliotecas na rede 
A ideia de escrever o livro surgiu quando Vaidhyanathan soube de um plano do Google para digitalizar bibliotecas universitárias, o Google Books. Para o historiador, a atitude mostrava controle demais nas mãos de uma única empresa: “nenhum órgão de políticas públicas supervisionou essa ação do Google”, comenta. Foi a partir daí que ele decidiu investigar a corporação e a relação das pessoas com ela.

O resultado, apresentado no livro, revela que o historiador não nega os benefícios do Google. Ele reconhece que o canal contribui para a organização do fluxo de informações na rede e que, de fato, a ferramenta tornou a vida de todos mais fácil. Mas, não há como negar que o conteúdo traz alerta sobre a forma como a ferramenta é utilizada, sem quaisquer questionamentos acerca de seus mecanismos de funcionamento. “As pessoas precisam perceber que o Google é passível de falhas, afinal, trata-se de uma empresa construída e dirigida por seres humanos e que, como qualquer instituição financeira, em primeiro lugar, prevê o lucro” - reforça.
Dividido em seis capítulos, o livro explora o universo moral do Google, enfoca as relações entre a empresa e seus usuários. No entanto, mais do que se propor a ser uma pedra no sapato dos gestores da ferramenta de busca mais utilizada do mundo, a obra diz respeito a viver com o Google e a pensar por meio dele. Fala sobre propriedade intelectual e como gerir conteúdos de uma forma universal, ou seja, de um jeito que todos sejam, realmente, beneficiados.

Newsonomics - Ken Doctor (Cultrix)

Livro questiona tendências dos formatos das notícias e seus impactos na econômia mundial.

Especialista do setor de notícias avalia o cenário atual da imprensa mundial e defende mudanças nos formatos de transmissão que democratizem os conteúdos digitais e ampliem o acesso à informação

Pesquisa realizada pelo Poynter Institute nos Estados Unidos revela que 2010 foi o primeiro ano em que os leitores de notícias online ultrapassaram os de notícias impressas. De acordo com o estudo, os jovens com idades entre 18 e 29 anos - 65% da população norte-americana - preferem notícias on-line. Mais: em 2010, pela primeira vez, o investimento em publicidade na Internet superou o valor investido nos jornais impressos. O setor on-line cresceu 13,9% entre 2009 e 2010, o que significa um faturamento de 28,8 bilhões de dólares em anúncios na rede.

Os dados comprovam a tendência de migração dos veículos impressos para o ambiente virtual como prevê o analista do setor de notícias, Ken Doctor. Autor de Newsonomics – Doze Novas Tendências que Moldarão as Notícias e o Seu Impacto na Economia Mundial, livro que a Editora Cultrix lança no Brasil durante a XV Bienal do Livro Rio, Ken é partidário da democratização de conteúdos digitais. O especialista não se espanta com a nova fase da mídia e da imprensa em todo o mundo e, em especial, nos Estados Unidos: “É um momento sem precedentes no jornalismo americano. A transformação da impressão está devastando tudo o que conhecemos sobre mídia, jornalismo e imprensa” – afirma Ken.

Newsonomics apresenta estatísticas, exemplos de sucesso e de fracasso de algumas mídias, consideradas grandes potências do jornalismo mundial. Ao mesmo tempo, questiona a qualidade e a quantidade das notícias que chegam ao público. Destaca que, se por um lado, hoje, as redações contam com um número reduzido de profissionais no mercado para correrem atrás de novidades e checarem a veracidade das informações, por outro, novos modelos para ‘noticiar’ estão crescendo e se tornaram indispensáveis na era global. 

Nova revolução
Para Doctor, a fase atual é de transformação - tanto para a notícia em si, quanto para o formato como essa notícia será repassada. “Há o mundo do jornalismo, que funciona 24 horas por dia, sete dias por semana. Ao mesmo tempo, quase instantâneo e onipresente, há o mundo das notícias a respeito das notícias”, comenta. Parece confuso, mas o comentário refere-se ao mundo globalizado, onde tudo está em evidência e de maneira extrema. O especialista argumenta que não há mais fronteiras ou mesmo obstáculos para chegar a qualquer parte do planeta, com veracidade e teor noticioso e, acima de tudo, com responsabilidade. “Uma nova era, uma nova revolução da mídia, com preceitos tecnológicos acessíveis a todos, essa é a proposta para hoje e para os próximos anos”, ressalta.

Uma nova revolução na imprensa, tão ou mais intensa quanto a iniciada por Gutenberg que, em 1439, introduziu a forma moderna de impressão de livros e jornais por meio de tipografia, está em plena atividade e será responsável por uma mudança de comportamento no que diz respeito à busca de conhecimento, de cultura, de negócios e, sobretudo, da notícia. “A segunda década do século XXI será de fato uma Década de Notícias Digitais, com sites, blogs, redes sociais, TVs Webs, Rádios Web, entre tantas outras possibilidades”, enfatiza Doctor.

- Por que as Mulheres Fazem Sexo - Cindy M. Meston, Ph.D. e David M. Buss, Ph. D. (Cultrix)

Do desejo à culpa, da compaixão à vingança, livro apresenta estudo que aponta as motivações que levam a mulher ao sexo.

Os aspectos que definem a escolha do parceiro, o desafio do orgasmo, a euforia da paixão em contraste com a monotonia do amor são alguns dos pontos em destaque na obra
A atração é o principal motivo que leva as mulheres ao sexo. É o que aponta estudo inédito publicado em Por Que As Mulheres Fazem Sexo, novo livro que a Editora Cultrix lança na XV Bienal do Livro Rio. A obra apresenta uma pesquisa conduzida pela internet entre junho de 2006 e abril de 2009, cujo objetivo foi compreender as motivações sexuais femininas. O estudo reuniu mais de mil mulheres com idades entre 18 e 86 anos, das mais diferentes classes sociais e de diversas nações, entre elas, Estados Unidos, Canadá, Alemanha, França, Bélgica, Austrália, Nova Zelândia, Israel e China. 

Contatos frequentes e familiaridade podem contribuir positivamente para a atração sexual, afinal, quanto mais presentes estiverem as pessoas envolvidas, mais positiva será a resposta. A troca de olhares e o contato visual são considerados chaves para o início de um relacionamento. Ao lado da familiaridade, outros fatores podem potencializar a vontade sexual feminina. O odor é um deles. Sabe-se hoje que a intensidade do olfato feminino atinge ponto alto no período de ovulação. O odor pode determinar a escolha do parceiro e a frequência das relações sexuais. Traços faciais, altura, beleza, tom de voz e personalidade estão entre as inúmeras razões para a atração sexual.

Novas descobertas
Didático, o livro esclarece as mais diferentes dúvidas femininas sobre sexo, tudo amparado por estudos de institutos renomados. Depoimentos das mulheres participantes da pesquisa com descrições detalhadas de encontros sexuais reais legitimam os temas tratados. Entre os assuntos abordados estão polêmicas como orgasmo e masturbação, novas descobertas sobre a penetração e o ponto G, insatisfação sexual, contrastes entre amor e paixão, sentimentos que provocam verdadeiro tumulto emocional marcado pela euforia, excitação e contentamento. 
As alterações hormonais, que podem mudar radicalmente o desejo sexual feminino também ganham páginas no livro. As mudanças causadas pela gravidez, entre elas, as expectativas, a ansiedade do casal, a intensidade dos enjôos, a perturbação do sono, entre outras questões, são responsáveis pelas alterações da libido e do humor da mulher. A fronteira entre sexo desejado e imposto também está presente no livro, onde os autores exploram desde o sexo como consequência do uso de drogas, até o resultado de um estupro e a violência sexual.
Entre as dúvidas esclarecidas em Por que as Mulheres Fazem Sexo, estão questões intrigantes como o por que as mulheres desejam certas habilidades em um parceiro ou não aceitam outras. As táticas que elas utilizam para atrair os parceiros, ou ainda, por que elas misturam amor e sexo. E para a surpresa dos autores, a boa notícia é que o sexo foi considerado pela maioria das mulheres muito prazeroso e o responsável por sensações de excitação, conexão e amor.

. Editora Landmark

- O Morro dos Ventos Uivantes - Emily Brontë
Edição Bilíngue Inglês / Português

A Editora Landmark apresenta mais um dos grandes Clássicos da Literatura, em uma nova e inédita tradução para a Língua Portuguesa, em edição bilíngue, resgatando toda a profundidade e maestria do romance «O MORRO DOS VENTOS UIVANTES», de Emily Brontë.

«O MORRO DOS VENTOS UIVANTES» foi publicado em 1847 através do pseudônimo «Ellis Bell». Hoje considerado um dos grandes clássicos da literatura universal, caracteriza-se como uma grande história de amor amaldiçoado e de vingança, e visto como a mais intensa história de amor já escrita na língua inglesa, tendo recebido fortes críticas quando de sua publicação no século 19.
Um ano antes de seu lançamento, as três irmãs Brontë - Charlotte, Emily e Anne - haviam publicado uma coletânea de poemas sob o nome de «Currer, Ellis e Acton Bell». Nos círculos literários ingleses era crença generalizada que as «Irmãs Brontë» e os «Irmãos Bell» fossem as mesmas pessoas. No entanto, o simples crédito deu margem a controvérsias: qual das irmãs Brontë seria qual dos irmãos “Bell? Correntes de críticos afirmavam que os três pseudônimos pertenciam na realidade à Charlotte Brontë; outros sugeriam que os demais pseudônimos «Bell» não se relacionavam com nenhuma das irmãs, e se referiam a seu Irmão, Branwell. Críticos da época reagiram com indiferença a «O MORRO DOS VENTOS UIVANTES», comparando-a desfavoravelmente com «Jane Eyre», de Charlotte Brontë, enquanto outros achavam o livro excessivamente mórbido e violento. Finalmente, a reavaliação crítica gradual encabeçada pela própria Charlotte resultou no reconhecimento do gênio de Emily e na aceitação de «O MORRO DOS VENTOS UIVANTES» como uma obra-prima singular, representando um distanciamento radical da tradição vitoriana de romance, uma vez que - é fortemente influenciado pelo estilo de lorde Byron e Percy Shelley, em suas poesias, e pelo ar gótico e rebuscado de Horace Walpole (autor do primeiro romance gótico «O Castelo de Otranto») e por Mary Shelley (autora de «Frankenstein» e «O Último Homem»).

«O MORRO DOS VENTOS UIVANTES» possui características ímpares diante de seus contemporâneos: enquanto outros se baseavam em ações complexas, geralmente tortuosas, sua estrutura dramática é resultado do choque de vontades, através de uma rica mistura de romantismo e realismo, transbordando de paixão, turbulência e misticismo. «O MORRO DOS VENTOS UIVANTES» já foi adaptado mais de vinte vezes para o cinema, rádio e televisão. A versão de William Wyler de 1939, estrelada por Merle Oberon como Cathy e Laurence Olivier como Heathcliff, é considerado um dos grandes clássicos do cinema até os dias de hoje, indicado para sete categorias da mais importante premiação do cinema e vencedora do prêmio por sua fotografia; as versões mais recentes são as de 1992, estrelada por Juliette Binoche e Ralph Fiennes, e a de 2011, estrelada por Kaya Scodelario e James Howson.

Autora: Emily Brontë
Preço de Capa: R$ 25,00
Páginas: 304

You Might Also Like

15 COMENTÁRIOS

  1. Nascida à Meia-Noite tem uma linda capa
    E eu já tinha lido O Morro dos Ventos Uivantes

    Mas gostei das novidades
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Essa edição de O Morro dos Ventos Uivantes da Landmark está linda!
    E estou curiosa por Nascida à Meia-Noite!
    Beijos!
    P.S: Amei o layout da Becky ^^

    ResponderExcluir
  3. Caracas! Que sinopses gigantescaS, desculpa, fiquei com preguiça e não li!
    Amei a capa do Morro dos Ventos Uivantes, eu amo este livro. Team Heathcliff!
    O blog está SUPER LINDO!

    ResponderExcluir
  4. A capa de Nascida à Meia-Noite é linda, peguei no livro lá no estande da Jangada e a minha mão coçou pra comprar hauhauhahuaa Mas ficou pra depois.

    Bjs,
    Kel
    www.itcultura.com

    ResponderExcluir
  5. Olá amiga ,gostie dos lançamentos principalmente de nascida a meia noite, queroooooo ler.Ótimo post parabéns

    ResponderExcluir
  6. Me interessei bastante pelo primeiro livro, parece ser bem legal!
    E gostei dessa versão do Morro dos Ventos Uivantes também, nunca tive oportunidade de ler o livro =/
    Beijos,
    Abrigo Literário.

    ResponderExcluir
  7. Não comprei nascida a meia noite =/
    é uma pena, mas esta na minha lista ^^
    Que capa linda a de "O morro dos ventos uivantes".

    ResponderExcluir
  8. Quero tanto ler Nascida à meia-noite! Adorei esse novo selo, ele promete muito *--*

    Abraços!
    http://leitorasanonimas.com

    ResponderExcluir
  9. Ai, são tantos lançamentos! Pelo menos, dessa lista, não tenho nenhum que deseje urgentemente, o que já é um avanço!

    Beijos
    Conjunto da Obra

    ResponderExcluir
  10. Gostei das novidades *-* Mas principalmente o "Nascida à Meia-Noite" Nossa, com certeza, vai virar febre *-*
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Estou namorando "Nascida a Meia-Noite" há algum tempo já mas o livro ainda não havia sido lançado no Brasil, vou correndo para as livrarias, comprar o meu.

    Beeijos
    Jaine - Little Things

    ResponderExcluir
  12. Oi
    Estou interessada em ler O Morro dos Ventos Uivantes como também ver o filme.também em Nascida à Meia Noite e Segredos de Vidas Passadas.
    Beijos.
    Books e Desenhos

    ResponderExcluir
  13. Achei legal a Editora Pensamento criar esse novo selo, é bom ver que eles estão dando atenção para essas áreas tão boas!
    Acho que dos outros livros, nenhum me interessou, pelo menos por enquanto. A tradução de "O morro dos ventos uivantes" que eu li foi tão boa que não me deixou querendo conhecer nenhuma outra, mas vamos ver como o barco vai andar awehifhawoi
    Acho que eu não falei o que tinha achado do layout né? Amei! Principalmente por ser da Becky, maravilhoooso ahefoihe *-*

    Quero saber como fopi na Bienal!! =)
    beijo!

    ResponderExcluir
  14. Ah Editora está com ótimos lançamentos, eu os vi na Bienal! *-* E adorei praticamente todos! \o/
    Beijos, Caah ♥

    @sonhospontinhos
    http://sonhosentrepontinhos.wordpress.com

    ResponderExcluir
  15. Muito legais os lançamentos! Espero poder ter algum, mas acho meio difícil agora, com toda a correria!rsrs

    Beijooos!

    Mariana Sampaio
    Blog Tijolinhos de Papel

    ResponderExcluir

Olá sejam bem vindos e deixem suas opiniões, com respeito, aqui.

Algumas observações:
- Comentários que não tenham relação com a postagem, serão removidos e não serão respondidos.
- Divulgações, exceto de autores, são removidas e não são respondidas.
- Comentários irrelevantes como: 'ah adorei a postagem', 'adorei a coluna', 'que legal o post' e outros no mesmo nível, são mantidos mas não são respondidos. Até porque, o que iríamos responder, né?

Popular Posts

Like us on Facebook

Subscribe